quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Contra a divisão do Pará

Ontem durante audiência com os líderes de partidos que tem assento na Assembléia Legislativa para tratar da regulamentação da 1/2 passagem intermunicipal conversei com o deputado Joaquim Passarinho, falamos sobre a frente parlamentar contra a divisão do Estado.Acertamos marcar uma audiência para debater o tema.

5 comentários:

marcela disse...

Existem dois grupos que querem dividir o estado: o grupo popular, composto de trabalhadores, pautando do desejo da divisão em suprir a ausência do estado em suas regiões, e uma porca elite, que se apropria das carências de seus municípios para formar um discurso grosseiro apoiando uma divisão que custará mais ao cofre público do que podeira ser grandes investimentos em infra-estrutura, por exemplo. ha entre os que se colocam contra, que tem uma visão restrita em relação à dimensão do Pará. Considero o tema muito mais complexo.

O norte, como um todo, sempre foi tratado de forma diferenciada do resto país. O nordeste, mesmo com suas mazelas, já foi o centro político e econômico em outros tempos. Sul e Sudeste, tiveram um outro tipo de ocupação e isso repercute hoje. E a Amazônia? historicamente utilizada como "almoxarifado" sua população é tratada como "passivos receptores de políticas pensadas por outros", seja o favorecimento dos coronéis que dominaram e dominam a região, seja estrangeiros, com seus "conheicmentos avançados" seja por um centro político bem distante de nós. Isso se reflete no modo de se fazer política por aqui, que nos dias de hoje ainda são rústicas, com pouca preocupação em mudanças profundas, pautada no cabresto.

Creio que isso começa a mudar. Nosso povo começa a tomar consciência de que existêm projetos políticos diferenciados, e que estes nos atingem diretamente, no nosso cotidiano.
A questão da divisão de estado é pautada muito mais em planejamento, em uma postura diferenciada do estado, em nos colocarmos como atores sociais, trabalhando para fortalecer esse estado e transformar nossa realidade.

É um longo debate a ser travado, não sei se eu disse besteira, mas por hora fico por aqui..

Paulo disse...

Pra variar o interesse de poucos pode resultar na tragédia de muitos, a divisão do estado do Pará é uma verdadeira vergonha, e tremenda cara de pau dos políticos que dizem querer o bem estar de certas regiões quando na verdade eles querem é ocupar os futuros cargos públicos que vão ser criados com a divisão, isso sem falar na infra-estrutura que terá que ser construída para a atender as necessidades dos “novos estados”, quem vai construir ? o governo ? com dinheiro de quem ? o nosso ? pra que ? pra haver mais desvios, super-faturamentos e outros casos de corrupção típicos dos nossos políticos.
Temos que parar de ser cômodos, e unidos lutaremos contra essa divisão injusta que os nossos políticos semi-analfabetos, despreparados querem propor para a população de baixa instrução. Temos o dever de combater esse tipo de gente, mas um combate ideológico, filosófico sócio-cultural, temos que desmoraliza-los perante a ignorância que estão propondo a nossa sociedade.

henos disse...

Bem camarada Rodrigo, esse é um debate amplo e complexo!
É certo que em alguns municípios onde se pauta a divisão do Estado há dificuldades de provisão de demandas importantíssimas, principalmente no que tange à infra-estrutura e acesso a estes municípios, no entanto existe uma série de interesses políticos das elites locais, isso torna o debate vergonhos e inviavél!!
Vamos a luta em defesa do nosso Estado!!
Henos Silva - Presidente da União Acadêmica Paraese.

Diogo Margonar disse...

Prezados, sou a favor da redivisão do Estado do Pará, moro no futuro estado de CArajás. Se fossemos embarcar no passado,com esses mesmos argumentos apresentados acima contra a divisão teríamos ainda a região denominada Grão-Pará, que antes compreendia quase a totalidade da região amazonica.No entanto a divisão da provincia em Amazonas, Pará e outros estados se mostrou adequada para todos. Interesses políticos sempre existem, seja dentro de casa seja na Assembléia geral da ONU, razão pela qual entendo pífio o argumento de que a divisão atenderá unicamente a interesses políticos. Quem nasceu e vive na Região Sul do Pará sabe o que significa escassez

Diogo..o do comenta´rio sobre o estado de Carjas que vc nao aceitou ontem disse...

Hum..nao aceitou meu conmentário foi?? bem típico de todo metido a esquerda, comunista..a democracia´so é boa para vcs quando convém..vc deve ser do tipo, "faça o que eu falo mas nao o que eu faço.."ja deveria ter imaginado...Quem defende um assassino como o Che Guevara so poderia agir assim mesmo...muita maconha p vc